PARÂMETROS DA PRODUÇÃO DE CAFÉ NO BRASIL EM 2018.

Postado em 07/12/2018 17:32:02 em Conteúdos



Apesar de que a produção não para, podemos dizer que basicamente o ano comercial do agronegócio já se encerrou, principalmente no mercado de ações. As especulações já estão todas voltadas para 2019, nas bolsas de valores agrícolas. 


Mas como será que foi o ano de 2018 para o café brasileiro, em se tratando principalmente de produção? Sim, é de suma importância analisarmos a produção, pois é dela que advém a comercialização, e sabemos que sem uma produção hoje proveitosa, a comercialização de amanhã será incerta.


Quem acompanha as matérias do Blog da Savassi, já deve ter percebido que sempre pautamos nossas publicações baseadas em muito estudo. Pesquisamos constantemente as principais notícias do agronegócio, checamos fontes, verificamos informações, tudo para escrevermos com mais critério e veracidade aos nossos leitores. 


E uma matéria que nos instigou a fazer uma análise mais sucinta do assunto em questão, é a matéria publicada no último dia 29 (novembro 2018), no caderno “Economia” do portal de notícias UOL. 


A matéria foi uma entrevista da COOXUPÉ à Reuters Brasil. Como sabem, a Cooxupé - Cooperativa Regional de Cafeicultores em Guaxupé é uma das Cooperativas de Café mais expressivas do país. E a Reuters Brasil é uma adjacente da Thomson Reuters, maior agência internacional de notícias e multimídia do mundo, que fornece notícias mundiais sobre investimentos, negócios, tecnologia, manchetes, pequenos negócios, alertas, finanças pessoais, mercados acionários e informações de fundos mútuos disponíveis através do Reuters.com.


O tema central da entrevista é uma preocupação com relação à safra do café em 2019, onde a Cooperativa alerta sobre os riscos que os cafés produzidos em 2018 terão relativos à qualidade. Vamos entender isso.


De acordo com eles, o ano de 2018 foi um ano realmente muito bom para a produção cafeeira no país, principalmente se comparado aos anos anteriores. Isso devido ao nível maior de chuva que ocorrera em 2018. Só para se ter uma ideia, mesmo faltando praticamente 1 mês para acabar o ano, em 2018 já choveu mais que 2017 inteiro. 


Mas sabemos que assim como a falta, o excesso de chuva também pode trazer seus percalços nas produções agrícolas. Por mais que isso pareça contraditório, é uma verdade! O café por exemplo é um fruto que necessita de sol e calor para maturar e ficar no ponto certo de colheita. E é aí que se encontra o problema das chuvas torrenciais.


Na entrevista, eles alegam que a safra de café no país pode apresentar problemas de qualidade em 2019 devido as diversas floradas, principalmente nos últimos meses.


E que problemas são estes? 


Resumindo, problemas de grãos sem uniformidade no momento da colheita, com frutos maduros e verdes. Mas vejam bem: estamos falando de QUALIDADE DO CAFÉ, ponto. Ou seja, pelo que tudo indica, a chuva não atrapalhará a produtividade em termos quantitativos, apenas em termos qualitativos. 


“Chuvas regulares e em bons volumes têm evitado qualquer estresse hídrico nos cafezais do país, o maior produtor e exportador global da commodity. Se por um lado impedem perdas de safra, por outro, tais precipitações vêm estimulando a ocorrência de mais floradas, o que resulta em grãos em diversos estágios de desenvolvimento.” 


Entenderam? Isso provavelmente poderá afetar a qualidade desses cafés no próximo ano, pois, se por um lado começar a colher cedo demais esses cafés, possivelmente colherá cafés verdes e maduros na mesma safra, o que compromete em termos de uniformidade, a qualidade do café. E por outro lado, se deixar para colher mais tarde um pouco, corre-se o risco de encontrar cafés maduros demais e cafés no chão, que definitivamente não é bom nem mesmo em termos quantitativos, pois nessa situação, há muitas perdas.


O presidente da Cooperativa, Carlos Paulino, disse à entrevista, que o cenário de agora é o inverso do cenário de um ano atrás. Que neste mesmo período do ano, em 2017, a falta de chuvas prejudicou as floradas, com abortamento e desfolha dos cafezais. No entanto, a produção em 2018, acabou sendo recorde. O Brasil bateu novo recorde em 2018, colhendo 60 milhões de sacas, conforme dados do Governo. Mas se estas previsões forem certas, em 2019 estes números poderão não ser tão positivos assim, caso os produtores não encontrem alternativas tecnológicas para driblar esta situação. E infelizmente é uma situação natural, ou seja, imposta pela própria natureza.


Quem vem acompanhando a Savassi Agronegócio, seja como cliente ou como amigo leitor e seguidor das nossas páginas sociais, sabe que a Savassi é uma empresa do setor do Agronegócio, dividida em três áreas: 

  • Análise Técnica, onde conta com profissionais capacitados e analisar e laudar produtos, produções e produtores de café.
  • Capacitação, onde conta com uma equipe multidisciplinar para aplicar os principais conhecimentos mundiais acerca de cafés.
  • E Certificadora, onde conta com os principais selos de certificação de cafés especiais do mercado. 


E por que estamos mencionando isso? 


Para nós, é muito importante que todos saibam que não comercializamos café. E é justamente por isso que estudamos sobre café, pois o nosso foco está no CONHECIMENTO. Quanto mais ensinamos em nossos cursos sobre café, quanto mais laudamos e emitimos certificados; realizamos auditorias e coordenamos concursos de qualidade de cafés especiais, mais aprendemos com as diversas realidades desse imenso mercado. A experiência de mais de 15 anos tem contribuído com os avanços da empresa.


Sendo assim, toda a nossa experiência de longos anos no mercado do café, somada aos estudos e pesquisas constantes, nos dá respaldo para deixar aqui orientações acerca de situações, como esta do tema central da matéria. 


Sabemos que muitos produtores estão preocupados, alguns até perdidos sem saberem como se precaver a possíveis perdas e prejuízos nas safras de 2019/2020.  O nosso conselho: INVISTA! Expliquemos:


 - Invista em CONHECIMENTO. Faça cursos e treinamentos sobre qualidade, classificação e comercialização de café. O conhecimento é o único ativo no mundo que não é desvalorizado.

2º - Invista em TECNOLOGIA. Os avanços da ciência tecnológica mundial têm colaborado com as diversas áreas da cadeia produtiva. Tanto na Indústria quanto no campo, há diversos recursos tecnológicos disponíveis no mercado para amenizar perdas, corrigir problemas e até mesmo melhorar a produtividade.

3º - Invista em QUALIDADE. Investir na qualidade, é investir em Recursos Humanos para deixar a equipe sempre preparada e motivada; é investir em Marketing para fazer as suas qualidades serem reconhecidas no mercado (por exemplo, através de um selo de qualidade do café ou de um concurso de qualidade). E também é investir em ‘Responsabilidade Social’, pois uma vez que a empresa se demostra preocupada com o meio ambiente, com os processos de armazenamento e transporte corretos de seus produtos, ela se mostra uma empresa responsável e ética, e isso sempre dá credibilidade aos negócios. 


Em 2019 ainda vamos falar muito sobre conhecimento, tecnologia e qualidade. E se você quiser saber mais sobre tudo isso, entre em contato com nossa equipe e nos conte sobre o seu negócio. Com certeza nós temos algo a lhe oferecer, que irá agregar valores à sua empresa! 


(Entrevista completa: http://bit.ly/materia-uolreuters-cafe)


Compartilhe

Comentários