CONCURSOS DE QUALIDADE DE CAFÉS ESPECIAIS

Postado em 26/09/2018 17:49:39 em Análise Técnica



A demanda por cafés de qualidade tem crescido a cada ano, não só no Brasil, mas no mundo todo. E junto a essa demanda, surgem várias outras que complementam o mercado cafeeiro, e uma delas são os Concursos que elegem os melhores cafés especiais.


Estes concursos têm se popularizado no país, e tem por objetivo eleger os melhores cafés e premiar os produtores que se dedicaram e investiram em sua produção, plantando muito investimento para colherem os melhores resultados na qualidade do seu café. 


Se você é do setor cafeeiro, provavelmente já ouviu falar (ou até participou) de algum concurso de qualidade do café, ou de cafés de qualidade. Mas você sabe como estes concursos funcionam?


A Savassi Agronegócio é uma empresa especializada em coordenar concursos como estes, por isso vamos explicar a você leitor, como funcionam. Claro que de forma resumida, mas com boa noção! 


OS CONCURSOS 


Vamos falar a nível de Brasil. Geralmente, as amostras dos lotes de cafés são enviadas por seus produtores para os promotores do concurso. Lá, elas são classificadas por uma equipe técnica, na maioria dos casos, que compõe um júri avaliador. 


Primeiro passam por uma pré-seleção. Sequencialmente, os grãos aprovados são avaliados por especialistas Q-Graders, de nível internacional.


Cada concurso utiliza uma metodologia conforme a regionalidade, porém todos classificam a qualidade global e sensorial dos cafés. Propriedades como fragrância, aroma, sabor, finalização, acidez, corpo, balanço e geral são avaliadas individualmente em uma escala que varia de 6 a 10 pontos.


E após sair os vencedores, a maior parte dos lotes campeões vão a leilões, muitas vezes feitos pela internet ou por “traders”, onde compradores do mundo todo passam a ter acesso à uma espécie de “disputa de aquisição”. 


Na maioria das vezes, as vendas são destinadas às cafeterias do mundo todo. No Japão por exemplo, filas são formadas na frente de cafeterias que anunciam cafés premiados. E nós da Savassi sabemos disso, porque além de promovermos Concursos, já inteira o segundo ano que recebemos alunos do Japão para os cursos de Classificação e Degustação de Café, promovidos pela Savassi Capacitação. E nossos alunos japoneses relatam como é a popularidade do café brasileiro no Japão.


É de Patrocínio no Alto Paranaíba, do produtor recordista Gabriel Nunes de 28 anos - Fazenda Bom Jardim, o café especial mais caro do mundo. A saca de 60 Kg do produto foi comprada em um leilão internacional realizado virtualmente pela Alliance for Coffee Excellence (ACE) por R$ 55.457,60. O Café foi adquirido em seis sacas por japoneses e australianos.


OS TIPOS DE CONCURSOS


Existem várias versões de concursos de qualidade de cafés especiais, tanto no Brasil quanto no exterior. Geralmente são promovidos por cooperativas, associações e empresas que se organizam para identificar e premiar o trabalho de cafeicultores que optam por produzir cafés de qualidade. E estas entidades geralmente contratam empresas especialistas, como a Savassi Análise Técnica, para coordenar o concurso. A empresa coordenadora do concurso deve ser totalmente neutra e não possuir nenhum vínculo com qualquer parte, seja os promotores do evento, ou os produtores de café. 


É importante salientar que a avaliação e classificação de um café ‘commodity’ (café tradicional) é bem diferente da classificação feita nestes concursos de qualidade. Enquanto no primeiro (cafés tradicionais) a classificação visa identificar características tradicionais de ponto de colheita, ponto de torra, defeitos, etc., os concursos de cafés de qualidade focam mais em características sucintas como:


  • fragrâncias 
  • aromas 
  • sabor
  • sensação na boca
  • acidez
  • corpo 
  • textura
  • combinações
  • equilíbrio na xícara
  • uniformidade


UM POUCO DE HISTÓRIA


Por registros, o primeiro a realizar um concurso de cafés de qualidade no Brasil, foi George Howell que, em 1999, era consultor da Organização Internacional do Café (OIC). Ele organizou a primeira rodada de provas, que aconteceu no laboratório da EPAMIG (localizado no Campus da Universidade Federal de Lavras). Dizem que aquele concurso veio como uma grande oportunidade para os produtores de cafés arábica do Brasil. Esses cafeicultores puderam mostrar os produtos de suas colheitas e concorreram a prêmios estimulantes. O sucesso foi tamanho que a qualidade dos cafés brasileiros vem crescendo a cada ano e se destacando no mercado mundial.


CONCLUSÃO: PARTICIPAR DE CONCURSOS VALE MUITO À PENA!


Como empresa coordenadora de concursos, que não tem interesses em vendas de produtos, apenas na prestação de serviços, concluímos que estes concursos de cafés de qualidades não só valem à pena aos produtores participantes, como também à cultura cafeeira em geral. Pois, uma das maiores contribuições que estes concursos deixam, é a melhoria constante da qualidade do café especial brasileiro. 


Os consumidores estão aprendendo cada vez mais a diferenciar um bom café dos cafés comuns, e com isso os cafés especiais têm ganhado espaço no mercado. Com isso, todos saem ganhando: produtores, comerciantes, prestadores de serviços e consumidores, gerando assim um ciclo virtuoso produtivo e altamente rentável.


Compartilhe

Comentários